O tamanho das partículas da ração realmente importa?

Você sabia que as aves possuem apenas 250 papilas gustativas na língua, contra cerca de 17.000 dos suínos, por exemplo. Isso faz com que quase não sintam o sabor dos alimentos, além de possuírem um péssimo olfato. Sendo assim, separam pelo tamanho da partícula. A ave da preferência em um primeiro momento para o milho triturado, depois para o farelo de soja e por último pelas partículas mais finas.



Além da escolha dos ingredientes outro fator importante é a granulometria de moagem de grãos e farelos. A granulometria é mensurada através do diâmetro geométrico médio - DGM da ração a ser oferecida às aves. Podendo variar de muito fina a muito grossa de acordo com o tamanho dos furos da peneira do moinho, onde são processadas.


Muitos problemas na criação podem ser decorrentes do descuido da moagem correta dos ingredientes de uma ração. Estudos com aves demonstraram que a partir dos sete dias de vida o desenvolvimento do trato digestório, principalmente a moela, é profundamente influenciado pelo fornecimento de alimento e tamanho de partículas (AMERAH et al, 2007).


Granulometria muito fina, pode levar a atrofia da moela, pois sem exercer sua função de quebra das partículas grandes em menores, o alimento tem passagem rápida pelo órgão. Para aves de postura este fato chama atenção, já que parte dos processos de formação dos ovos ocorre em períodos nos quais as aves não estão se alimentando e a retenção do alimento por maior tempo na moela disponibilizará nutrientes para a manutenção destas etapas.


Por este motivo uma das recomendações de grande importância para fase de postura é garantir que o conteúdo cálcico da ração seja de pelo menos 70% em partículas de 2 a 4 mm para estimular a retenção na moela e o armazenamento para o período noturno.

Além disso, partículas muito finas tendem a aumentar o consumo de água, diminuir o ganho de peso e aumentar incrustações no bico da ave. Já partículas maiores do que as recomendadas levam à seleção dos ingredientes da ração por parte das aves com consequente desequilíbrio nutricional, podendo inclusive ocasionar aumento da mortalidade na primeira semana de vida.

Fato importante de se considerar na produção para corte e/ou postura é a capacidade das aves em selecionar o tamanho adequado da partícula de acordo com a idade. Ou seja, as rações das diferentes fases devem possuir diferentes tamanhos de partículas.


Os pintos preferem a ração com partículas maiores que 1,18mm e, quando mais velhos, maior que 2,36mm. Zanatta et al. (2006) sugeriram que o diâmetro geométrico médio (DGM) de 1,196mm é muito grande e pode prejudicar o desempenho das aves jovens. De acordo com Nir et al.(1994), os pintos preferem dietas com partículas de 0,7 a 0,9mm.


Já para fase de postura a granulometria considerada correta possui pelo menos 80% das partículas com diâmetro entre 0,5 e 3,2mm.


Portanto, o tamanho, a forma e as estruturas das partículas de uma dieta irão influenciar a digestibilidade dos nutrientes, o desenvolvimento da ave, e consequentemente, o desempenho zootécnico dos animais (AMERAH et al., 2007).


Referências

AMERAH, A. M.; RAVINDRAN, V.; LENTLE, R. G.; THOMAS, D. G. Feed particle size: implications on the digestion and performance of poultry. Poultry Science, Champaign, v. 63, p. 439-455, 2007.


NIR, I. G.; SHEFET, Y.; NITSAN, Z. Effect of particle size on performance. Grain texture Interactions. Poultry Science, Champaign, v. 73, p. 781-791, 1994.


ZANATTA, F. L.; LACERDA FILHO, A. F.; TEIXEIRA, C. A; SANTOS, W. R.; COSTA, P. L. A. O.; SILVEIRA, C. L.; PEREIRA, H. A. Avaliação energética de moinho de martelos em relação ao DGM de milho e desempenho de suínos e aves. Engenharia na Avicultura, Viçosa, MG. v. 14, n. 4, p. 276-286, 2006.