Poleiros horizontais ou verticais? Qual a melhor escolha?

A forma como os poleiros são dimensionados e colocados no galpão interfere nos índices produtivos?


O correto dimensionamento dos equipamentos nas instalações é de grande importância nos sistemas de produção de ovos, tendo em vista os hábitos intrínsecos das aves, de se refugiarem dos predadores ao entardecer. Na natureza, são acostumadas a dormir em árvores, empoleiradas nos galhos.


É neste sentido que os poleiros são parte fundamental da infraestrutura. Para que as aves possam expressar seu comportamento natural, sentir-se confortável e protegida na ausência da luz.


Existem duas formas principais de ofertar os poleiros às aves. Na vertical e na horizontal.


Os avicultores que adotam o modelo vertical sustentam a ideia de que na natureza as aves preferem alcançar locais mais altos e além de preservar tais características, favorecem a expressão da hierarquia no plantel, comportamento comum das aves, onde os machos e fêmeas dominantes dormem nos poleiros mais altos, enquanto o restante dos animais se estabelecem nos poleiros mais baixos.


Já para os avicultores que usam os poleiros horizontais, o fazem exatamente para quebrar a hierarquia dentro do plantel, além de evitar que as fezes das aves de cima caiam sobre as aves de baixo, fato que favorece a transmissão de doenças.


Tanto os poleiros construídos na horizontal como na vertical, devem seguir alguns princípios básicos:


1) Altura do poleiro: é o primeiro fator a se considerar, uma vez que poleiros muito altos, promovem a aterrissagem forçada das aves no solo, causando lesões nas articulações, nos pés, até fraturas mais graves e evolução para doenças mais severas, como pododermatites. Alturas ideais permanecem em média 60 cm do solo;


2) Material: a escolha do material é fundamental, geralmente utiliza-se madeira na sua confecção, deve-se observar a qualidade da mesma, não devendo apresentar facilidade em soltar farpas;


3) Medidas: as ripas à serem utilizadas devem conter 2 centímetros de altura por 5 centímetros de largura;


4) Formato: toda superfície deve ser abaulada, visando facilitar a fixação dos pés das aves no poleiro.



De acordo com as normas das certificadoras de bem-estar, os poleiros devem ser fornecidos com um mínimo de 7,5 cm linear por franga e um mínimo de 15 cm lineares por galinha de postura. Isso inclui a barra de acesso imediatamente à frente dos ninhos. Pelo menos 20% dos poleiros devem ser elevados do piso (espaço de poleiro elevado) para permitir que as galinhas evitem agressores, mas estes devem ser baixos o suficiente para evitar lesões de perna. Apenas poleiros alocados a mais de 41 cm e menos de 1,0 m acima do piso podem ser calculados como parte do espaço do poleiro elevado. Os poleiros elevados devem ser colocados pelo menos 30 cm de qualquer parede ou forro, e permitir que as aves pulem a um ângulo máximo de 45 graus.


Na lei que rege a produção orgânica de ovos, os poleiros devem apresentar, no mínimo, 18 cm lineares por ave. Cabendo a observação do avicultor, pois dependendo da linhagem e/ou raça trabalhada, se faz necessário ampliar a disponibilidade de centímetros lineares/ave.


Sendo assim, é importante seguir as recomendações técnicas na construção dos poleiros nos sistemas de produção de ovos, caso contrário, um equipamento que busca promover a proteção, o descanso e o conforto aos animais, pode causar lesões e estresse constantes.

Referências

BRASIL. Lei n. 10.831, de 23 de Dezembro de 2003. Dispõe sobre a agricultura orgânica e dá outras providências. Disponível em:

<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.831.htm>. Acesso em: 20 de junho de 2020.

HUMANE FARM ANIMAL CARE – HFAC. Padrões de Cuidados com os Animais. Padrões 2018BR. Fev. 2018. 48 p.