Uso da mandioca na alimentação de galinhas caipiras

Nativa do Brasil, a mandioca é uma excelente fonte de carboidratos e uma ótima opção na substituição do milho em tempos de alta nos preços.



A alimentação das galinhas caipiras corresponde a mais de 60% dos custos de produção dos ovos. As principais matérias-primas usadas na formulação das rações são: o milho moído, o sorgo, o farelo de soja e o farelo de trigo. Vários produtos não convencionais, no entanto, poderão substituir parcialmente os ingredientes tradicionais das rações balanceadas com vantagens econômicas. Destacam-se dentre esses a mandioca.


O uso da mandioca na alimentação animal admite o aproveitamento de toda a planta e os resíduos da produção agrícola e dos processos de industrialização. As raízes podem ser aproveitadas integralmente secas ao sol ou na forma de farinhas.


A raiz da mandioca é uma excelente fonte de carboidratos e energia para os animais. Souza et al. (2011) formularam uma ração com 60% de seu total com farelo da raiz integral de mandioca. Substituindo 85,44% do milho na ração. Concluíram que o farelo da raiz integral de mandioca pode ser utilizado nas dietas de frangos de corte tipo caipira sem prejudicar o desempenho e os rendimentos de carcaça e de cortes das aves. As propriedades funcionais da carne de frangos de corte tipo caipira não são alteradas pela inclusão do farelo da raiz integral de mandioca.


Cruz et al. (2006) avaliaram os desempenhos produtivo e econômico da substituição do milho pela farinha da apara de mandioca em rações para poedeiras, obtida por meio de cortes nas pontas da raiz no momento da comercialização ao consumidor. Foram selecionadas as aparas de melhor aspecto, rejeitando-se o material suspeito de decomposição e as partes endurecidas da mandioca. Em seguida, o material foi lavado para retirada de terra e posteriormente triturado em equipamento de trituração de grãos. Os autores concluíram que é possível substituir 100% do milho pela farinha da apara de mandioca sem alterar a produção de ovos e conversão alimentar.


O preparo mais simples para utilização segue os seguintes passos:


1) Colheita;

2) Lavagem: em água corrente para tirar toda sujidade e resíduo de terra;

3) Primeira Secagem: após as duas primeiras etapas, as raízes devem ser acondicionadas em lona e expostas ao sol, permanecendo a céu aberto por 24 horas;

4) Primeira trituração: as raízes devem ser trituradas em peneira de 12 mm;

5) Segunda secagem: as partículas menores devem voltar à lona, onde permanecerão em média 48 a 72 horas;

6) Segunda trituração: as partículas com média de 12 mm passam novamente pelo triturador em peneira de 6 mm, formando uma espécie de farinha;

7) Armazenamento: as raízes secas e trituradas devem ser acondicionadas em local seco e fresco, por um período máximo de 120 dias.


Referências

CRUZ, Frank George Guimarães; FILHO, Manoel Pereira; CHAVES, Francisco Alberto de Lima. Efeito da substituição do milho pela farinha da apara de mandioca em rações para poedeiras comerciais. R. Bras. Zootec., v.35, n.6, p.2303-2308, 2006.


SOUZA, K. M. R.; CARRIJO, A. S.; KIEFER, C.; FASCINA, V. B.; FALCO, A. L.; MANVAILER, G. V.; GARCÍA, A. M. L. Farelo da raiz integral de mandioca em dietas de frangos de corte tipo caipira. Rev. Arch. Zootec. v.60, n.231, 2011.